"Os professores fascinantes se atualizam constantemente e descobrem ferramentas pedagógicas capazes de provocar impactos emocionais nos alunos para estimular o desenvolvimento da inteligência. Sabem que sua marca é a paixão, a garra, o entusiasmo.".
(Augusto Cury)

terça-feira, janeiro 07, 2014


Máscaras carnavalescas

1

Papangus de Bezerros-PE


Materiais :
- Tesoura
- Recipiente com água;
- Cola branca;
- Balão;
- Folhas de jornal;


O que fazer?
1- Num recipiente, coloque um copo de água e dois de cola. Mexa bem com os dedos.
2- Encha um balão de ar de acordo com o tamanho da sua cabeça. Em seguida corte as folhas de jornal em tiras.

3- Mergulhe as tiras de jornal no recipiente, uma a uma. Passe-as por entre os dedos para lhe retirar o excesso de cola.
4- Cola as tiras de jornal em volta do balão de modo a cobri-lo totalmente. Tenha o cuidado de pregá-las, alisando-as o melhor possível.

5- Depois de colocar a primeira camada deixe secar o balão num local arejado. Pode pendurá-lo perto da janela.
6- Depois de seco corta o balão ao meio. Ficará com duas máscaras. Recorte os orifícios correspondentes aos olhos, nariz e boca.

7- A máscara está concluída. Agora pode decorar a  gosto, pintando ou utilizando colagens.

Homem de cor

0




Escrito por uma criança africana….

Quando eu nasci, eu era negro.
Quando você nasceu, você era rosa.
Quando eu cresci, eu ainda era negro.
Quando você cresceu, você ficou branco
Quando eu pego sol, eu fico negro.
Quando você pega sol, você fica vermelho.
Quando eu sinto frio, eu continuo negro.
Quando você sente frio, você fica azul.
Quando eu tenho medo, eu fico negro.
Quando você tem medo, você fica verde.
Quando eu adoeço, eu fico negro.
Quando você adoece, você fica amarelo.
Quando eu morrer, eu vou permanecer negro.
Quando você morrer, você vai ficar cinza.

E é você que me chama de Homem de cor?

CAUSO " O LENHADOR" com Rolando Boldrim

0
Aprecie e a seguir trabalhe conforme sugere a revista Nova escola.

 http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=MQ7Qv1urm_c


Sugestão da Revista Nova Escola: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/plano-de-aula-estudo-producao-texto-base-genero-causo-725021.shtml

Filme: COMO ESTRELAS NA TERRA

0


O filme mostra uma lição de vida. Um garoto que foi tratado com respeito por um professor, que soube valorizar e entender as diferenças. Um filme que todo professor comprometido precisa assistir para compreender melhor seus alunos.


sábado, agosto 03, 2013


0


Tempo estimado, para decomposição dos materiais na Natureza.

0


Ideias, boas ideias!!!

0





Novas possibilidade de brincar, isso é viver a infância em sua plenitude!

Interessante e educativo!

0

Com pratos descartáveis, prendedores de roupa, bolas de papel crepom, tampinhas de garrafa e um pedaço de madeira você pode confeccionar uma catapulta super divertida! Olha só que legal que pode ficar!!!



quarta-feira, julho 24, 2013


ACHADOS NA NET

0

Compartilhando  ...

Massinha ao alvo - é um jogo onde cada criança tem direito de lançar 4 vezes uma bolinha de massa de modelar e tentar atingir o alvo. Cada circulo do alvo tem uma cor diferente e corresponde a valores também diferentes. Os valores atingidos pela criança devem ser somados. Ganha a partida a criança que obtiver maior pontuação.



Roda a roda - Quem já assistiu ao programa do Silvio Santos (SBT)?É possível trabalhar com Sistema Monetário de forma lúdica e divertida, utilizando esta roleta muito simples de fazer.
Para construí-la é necessário: 1 disco de vinil, papeis coloridos, plástico adesivo, canetinhas, dinheirinho de brinquedo, uma tampa de tambor, pizza ou uma bandeja de papelão e um parafuso com porca.
Corte os papeis coloridos como se fossem fatias de pizza e cole-os no disco de vinil, depois com uma canetinha registre em cada fatia colorida um valor correspondente a cédulas do nosso Sistema Monetário, aplique o plástico adesivo sobre os papeis colados(para maior durabilidade do brinquedo), por fim conecte o disco de vinil a uma caixa de pizza ou bandeja de papelão utilizando um parafuso, ligando-os e prendendo-os com uma porca. Na borda cole uma seta de papel (para indicar o valor que a criança obterá quando girar a roleta).
Modo de brincar: Forme um grupo com mais de duas crianças, cada uma terá o direito de girar a roleta uma vez por rodada. Cada vez que ela girar e conquistar um determinado valor, ela receberá a mesma quantia em cédulas de dinheiro de brinquedo. Durante o jogo as crianças além do contato com o dinheiro aprendem a: perder, somar, a contar dinheiro, a ganhar, a comparar valores, a traçar estratégias de contagem (5 em 5, 10 em 10, etc.)a entender valores maiores e menores, a perceber possibilidades de formar uma mesma quantia utilizando cédulas diferentes. A aula e forma de jogar vão depender da criatividade do professor e dos objetivos que ele deseja que sejam alcançados por seus alunos.



FONTE: https://www.facebook.com/JogosDeSucataNaSalaDeAula

STRESS INFANTIL

0


TABUADA

0



Uma ideia super criativa de jogos utilizando sucatas! 
Acrescentando dois dados com os numerais podemos estimular a tabuada. 

Cada jogador joga os dados e resolve a multiplicação. 
Vence quem chegar no final da trilha.

Uma boa aposta sempre!

0


A Dona Aranha subiu pela parede veio a chuva forte e a derrubou

0


VAMOS INCENTIVAR A LEITURA!!!

0


Os alunos não irão resistir a um espaço de leitura tão fofo...

Vamos usar a imaginação!!!

DICA PARA ESPAÇO AMBIENTADO NA SALA DE AULA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

0



TDH

0


0


O ato de brincar é importante para o desenvolvimento e aprendizagem 
na educação infantil. 

           Através das brincadeiras, compreendemos o universo lúdico, onde a criança comunica-se consigo mesma e com o mundo, aceita a existência dos outros, estabelece relações sociais, constrói conhecimentos, desenvolvendo-se integralmente.
          Para Vygotsky (1998) e Leontiev (1998), o brinquedo tem intrínseca relação com o  desenvolvimento infantil, especialmente na idade pré-escolar. Embora os autores não o considerem como o único aspecto predominante na infância, é o brinquedo que proporciona o maior avanço na capacidade cognitiva da criança. É por meio do brinquedo que a criança se apropria do mundo real, domina conhecimentos, se relaciona e se integra culturalmente.             Ao brincar e criar uma situação imaginária, a criança pode assumir diferentes papéis: ela pode se
tornar um adulto, outra criança, um animal, ou um herói televisivo.

# Para que essa aprendizagem ocorra satisfatoriamente, devemos dar bons exemplos de comportamentos.

sábado, setembro 22, 2012


SOMOS TODOS IRMÃOS.

0


"Somos filhos da terra cor de urucum.
Dos sons do igarapé e da força do jatobá.
Das águas do Araguaia, do Tapajós, do Iguaçu.
Somos filhos do sol de Kuaray, da lua de Jaci.
E da chuva que semeia o guaraná, a pitanga e o aipim.
Somos filhos dos mitos.
Do uirapuru e seu canto, do vento e do pranto.
Guerreiros, fortes, sábios.
Somos Ianomânis, Guaranis, Xavantes, Caiabis.
E o que somos nunca deixaremos de ser".

( Zeli Poa )

quinta-feira, setembro 20, 2012


0
Trabalho:

Projeto - Luiz Gonzaga e o meio ambiente
XOTE ECOLÓGICO

Árvore de jornais e sanfonas de caixas de sapatos. 

Artes

0


Para as aulas de Artes!
Marca texto super prático 
para fazer com os alunos.

Jogos Matemáticos

0


Brincando com a Matemática!!!
Ótima opção para as turmas do Infantil.

domingo, março 11, 2012


CANTIGAS POPULARES

2
PEIXE VIVO



Disléxia

0
Na Primeira Infância:

1 - atraso no desenvolvimento motor desde a fase do engatinhar, sentar e andar;
2 - atraso ou deficiência na aquisição da fala, desde o balbucio á pronúncia de palavras;
3 - parece difícil para essa criança entender o que está ouvindo;
4 - distúrbios do sono;
5 - enurese noturna;
6 - suscetibilidade à alergias e à infecções;
7 - tendência à hiper ou a hipo-atividade motora;
8 - chora muito e parece inquieta ou agitada com muita freqüência;
9 - dificuldades para aprender a andar de triciclo;
10 - dificuldades de adaptação nos primeiros anos escolares.

Observação: 
 
Pesquisas científicas neurobiológicas recentes concluiram que o sintoma mais conclusivo acerca do risco de dislexia em uma criança, pequena ou mais velha, é o atraso na aquisição da fala e sua deficiente percepção fonética. Quando este sintoma está associado a outros casos familiares de dificuldades de aprendizado - dislexia é, comprovadamente, genética, afirmam especialistas que essa criança pode vir a ser avaliada já a partir de cinco anos e meio, idade ideal para o início de um programa remediativo, que pode trazer as respostas mais favoráveis para superar ou minimizar essa dificuldade.
A dificuldade de discriminação fonológica leva a criança a pronunciar as palavras de maneira errada. Essa falta de consciência fonética, decorrente da percepção imprecisa dos sons básicos que compõem as palavras, acontece, já, a partir do som da letra e da sílaba. Essas crianças podem expressar um alto nível de inteligência, "entendendo tudo o que ouvem", como costumam observar suas mães, porque têm uma excelente memória auditiva. Portanto, sua dificuldade fonológica não se refere à identificação do significado de discriminação sonora da palavra inteira, mas da percepção das partes sonoras diferenciais de que a palavra é composta. Esta a razão porque o disléxico apresenta dificuldades significativas em leitura, que leva a tornar-se, até, extremamente difícil sua soletração de sílabas e palavras. Por isto, sua tendência é ler a palavra inteira, encontrando dificuldades de soletração sempre que se defronta com uma palavra nova.
Porque, freqüentemente, essas crianças apresentam mais dificuldades na conquista de
domínio do equilíbrio de seu corpo com relação à gravidade, é comum que pais possam submete-las a exercícios nos chamados "andadores" ou "voadores". Prática que, advertem os especialistas, além de trazer graves riscos de acidentes, é absolutamente inadequada para a aquisição de equilíbrio e desenvolvimento de sua capacidade de andar, como interfere, negativamente, na cooperação harmônica entre áreas motoras dos hemisférios esquerdo-direito do cérebro. Por isto, crianças que exercitam a marcha em "andador", só adquirem o domínio de andar sozinhas, sem apoio, mais tardiamente do que as outras crianças.
Além disso, o uso do andador como exercício para conquista da marcha ou visando uma maior desenvoltura no andar dessa criança, também contribui, de maneira comprovadamente negativa, em seu desenvolvimento psicomotor potencial-global, em seu processo natural e harmônico de maturação e colaboração de lateralidade hemisférica-cerebral.
 
A Partir dos Sete Anos de Idade:


1 - pode ser extremamente lento ao fazer seus deveres:
2 - ao contrário, seus deveres podem ser feitos rapidamente e com muitos erros;
3 - copia com letra bonita, mas tem pobre compreensão do texto ou não lê o que escreve;
4 - a fluência em leitura é inadequada para a idade;
5 - inventa, acrescenta ou omite palavras ao ler e ao escrever;
6 - só faz leitura silenciosa;
7 - ao contrário, só entende o que lê, quando lê em voz alta para poder ouvir o som da palavra;
8 - sua letra pode ser mal grafada e, até, ininteligível; pode borrar ou ligar as palavras entre si;
9 - pode omitir, acrescentar, trocar ou inverter a ordem e direção de letras e sílabas;
10 - esquece aquilo que aprendera muito bem, em poucas horas, dias ou semanas;
11 - é mais fácil, ou só é capaz de bem transmitir o que sabe através de exames orais;
12 - ao contrário, pode ser mais fácil escrever o que sabe do que falar aquilo que sabe;
13 - tem grande imaginação e criatividade;
14 - desliga-se facilmente, entrando "no mundo da lua";
15 - tem dor de barriga na hora de ir para a escola e pode ter febre alta em dias de prova;
16 - porque se liga em tudo, não consegue concentrar a atenção em um só estímulo;
17 - baixa auto-imagem e auto-estima; não gosta de ir para a escola;
18 - esquiva-se de ler, especialmente em voz alta;
19 - perde-se facilmente no espaço e no tempo; sempre perde e esquece seus pertences;
20 - tem mudanças bruscas de humor;
21 - é impulsivo e interrompe os demais para falar;
22 - não consegue falar se outra pessoa estiver falando ao mesmo tempo em que ele fala;
23 - é muito tímido e desligado; sob pressão, pode falar o oposto do que desejaria;
24 - tem dificuldades visuais, embora um exame não revele problemas com seus olhos;
25 - embora alguns sejam atletas, outros mal conseguem chutar, jogar ou apanhar uma bola;
26 - confunde direita-esquerda, em cima-em baixo; na frente-atrás;
27 - é comum apresentar lateralidade cruzada; muitos são canhestros e outros ambidestros;
28 - dificuldade para ler as horas, para seqüências como dia, mês e estação do ano;
29 - dificuldade em aritmética básica e/ou em matemática mais avançada;
30 - depende do uso dos dedos para contar, de truques e objetos para calcular;
31 - sabe contar, mas tem dificuldades em contar objetos e lidar com dinheiro;
32 - é capaz de cálculos aritméticos, mas não resolve problemas matemáticos ou algébricos;
33 - embora resolva cálculo algébrico mentalmente, não elabora cálculo aritmético;
34 - tem excelente memória de longo prazo, lembrando experiências, filmes, lugares e faces;
35 - boa memória longa, mas pobre memória imediata, curta e de médio prazo;
36 - pode ter pobre memória visual, mas excelente memória e acuidade auditivas;
37 - pensa através de imagem e sentimento, não com o som de palavras;
38 - é extremamente desordenado, seus cadernos e livros são borrados e amassados;
39 - não tem atraso e dificuldades suficientes para que seja percebido e ajudado na escola;
40 - pode estar sempre brincando, tentando ser aceito nem que seja como "palhaço" ;
41 - frustra-se facilmente com a escola, com a leitura, com a matemática, com a escrita;
42 - tem pré-disposição à alergias e à doenças infecciosas;
43 - tolerância muito alta ou muito baixa à dor;
44 - forte senso de justiça;
45 - muito sensível e emocional, busca sempre a perfeição que lhe é difícil atingir;
46 - dificuldades para andar de bicicleta, para abotoar, para amarrar o cordão dos sapatos;
47 - manter o equilíbrio e exercícios físicos são extremamente difíceis para muitos disléxicos;
48 - com muito barulho, o disléxico se sente confuso, desliga e age como se estivesse distraído;
49 - sua escrita pode ser extremamente lenta, laboriosa, ilegível, sem domínio do espaço na página;
50 - cerca de 80% dos disléxicos têm dificuldades em soletração e em leitura.


Crianças disléxicas apresentam combinações de sintomas, em intensidade de níveis que variam entre o sutil ao severo, de modo absolutamente pessoal. Em algumas delas há um número maior de sintomas e sinais; em outras, são observadas somente algumas características. Quando sinais só aparecem enquanto a criança é pequena, ou se alguns desses sintomas somente se mostram algumas vezes, isto não significa que possam estar associados à Dislexia. Inclusive, há crianças que só conquistam uma maturação neurológica mais lentamente e que, por isto, somente têm um quadro mais satisfatório de evolução, também em seu processo pessoal de aprendizado, mais tardiamente do que a média de crianças de sua idade.


Pesquisadores têm enfatizado que a dificuldade de soletração tem-se evidenciado como um sintoma muito forte da Dislexia. Há o resultado de um trabalho recente, publicado no jornal Biological Psychiatry e referido no The Associated Press em 15/7/02, onde foram estudadas as dificuldades de disléxicos em idade entre 7 e 18 anos, que reafirma uma outra conclusão de pesquisa realizada com disléxicos adultos em 1998, constando do seguinte:
que quanto melhor uma criança seja capaz de ler, melhor ativação ela mostra em uma específica área cerebral, quando envolvida em exercício de soletração de palavras. Esses pesquisadores usaram a técnica de Imagem Funcional de Ressonância Magnética, que revela como diferentes áreas cerebrais são estimuladas durante atividades específicas. Esta descoberta enfatiza que essa região cerebral é a chave para a habilidade de leitura, conforme sugerem esses estudos.


Essa área, atrás do ouvido esquerdo, é chamada região ocipto-temporal esquerda. Cientistas que, agora, estão tentando definir que circuitos estão envolvidos e o que ocorre de errado em Dislexia, advertem que essa tecnologia não pode ser usada para diagnosticar Dislexia.


Esses pesquisadores ainda esclarecem que crianças disléxicas mais velhas mostram mais atividade em uma diferente região cerebral do que os disléxicos mais novos. O que sugere que essa outra área assumiu esse comando cerebral de modo compensatório, possibilitando que essas crianças conseguiam ler, porém somente com o exercício de um grande esforço.
 
PARA SABER MAIS:
                                                             www.dislexia.com.br

SALA DE AULA

0
Nossas Atividades




Trabalhos da minha amiga Lili para o Colégio Imaculada Conceição.

JOGOS MATEMÁTICOS

2
Adicionar legenda



TORRE DE HANOI

COLMÉIA MATEMÁTICA

PESCARIA - "SÓLIDOS GEOMÉTRICOS"

TRILHA DA MULTIPLICAÇÃO




Este projeto foi desenvolvido no ano de 2010 com a minha turma do 3º Ano.




domingo, março 04, 2012


Projetos Educação Infantil

1
Manuseando livros em braile

Confeccionando uma árvore para o projeto Meio Ambiente


Bichinhos de Jardim

Tirinhas!!!

Tirinhas!!!